Aceite, é de coração: porque algo tão simples como receber um elogio parece ser tão difícil?

Aceite, é de coração: porque algo tão simples como receber um elogio parece ser tão difícil?

Senti vontade de compartilhar o porque o vídeo a seguir me emociou:

O que assisti demonstrou, de maneira muito simples, como as pessoas tem dificuldade de receber palavras bonitas sobre elas mesmas.

Somos manipulados, desde pequenos, a “entender” que não devemos aceitar elogios, e tenho percebido isso e muito recentemente. No PDC que fiz em outubro, me dei conta como eu e muitos outros, ao receber um elogio, ao invés de agradecer, desconversava ou se colocava pra baixo de alguma forma.

A) “Nossa, como você está linda hoje”!
B) ” Ai, nada a ver! Estou toda inchada, acabei de acordar.”

ou

A) “Que legal isso que você escreveu!”
B) É, mais ou menos.. tem um monte de errinhos que nem me prestei a corrigir ainda.”

E por aí vai..

Durante o curso tive a oportunidade de contabilizar quantas vezes isso acontecia no curto tempo que estivemos lá. Como todos estavam ligados nesse mechanismo que criamos através de padrões que nos foram impostos desde a infância, quando alguém elogiava algo e a outra pessoa começava a engajar na resposta automática, o que estava elogiando dizia algo do tipo:

A) “Aceita, é de coração.”

e assim a que estava recebendo o elogio respondia:

B) “Obrigada.” E sorria.

Mas por que desenvolvemos esse mechanismo tão autodestrutivo? No meu ver, alguns motivos são:

1) Se aceitarmos um elogio, estaremos agindo com o ego. O outro irá achar que estamos “nos achando” demais e isso não pega bem.

2) “Não pode ser verdade, eu não sou bonita(o). Meu cabelo é seco; meu dente é torto; meu nariz é grande; tenho olheiras profundas; meu rosto está cheio de espinhas; sou gorda; sou baixinha…” e assim por diante..

Fomos vendidos um certo padrão de beleza e se não nos encaixamos, não somos, então pra que acreditar se alguém disser? “Só podem estar cegos, loucos, tirando com a minha cara, com algum interesse por trás”, não é?

3) Aquela mania (insensata, por sinal) de achar que não somos bons o suficiente, de não confiarmos que somos capazes, de que todo mundo é melhor que nós. Vivemos em um mundo (ilusório) competitivo que coloca a maioria pra baixo, excluíndo o fato de que não temos que ser igual e nem alcançar as mesmas coisas, que temos habilidades diferentes, maneiras diferentes de criar, trabalhar, crescer e evoluír..

As pessoas não acreditam em si, no seu potencial, na sua beleza interior e exterior por acharem que tem que encaixar em um certo padrão de ser.

A verdade é que temos tanto pra oferecer e receber. Existe tanta beleza nesse mundo (que muitas vezes é ocultada por um véu) e quanto mais propagamos o que há de mais belo, mais bonito o enxergamos. A beleza da essência das coisas, das pessoas, dos animais, da natureza, do cosmos, da vida.

Da próxima vez que alguém lhe elogiar, preste bem atenção na sua reação. Você sorri e agradece ou abaixa a cabeça e da um monte de desculpas do porque aquele elogio não cabe a ti?

Quer uma sugestão que provavelmente mudará a sua vida pra melhor? Aceite e sorria, receba de coração. Com certeza ficarás ainda mais bonito do que já é. E mais, espalhe essa alegria. Elogie mais tudo aquilo que você acha bonito, seja o que for. Elogie a si próprio também, por que não? É lindo podermos reconhecer algo de bom que fizemos.

Mais amor por favor!